Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Análise à Supertaça

por P1nheir8, em 11.08.16

 

*Nota: esta análise demorou mais a ser publicada, porque não sabíamos o que poderíamos fazer, em virtude da TVI ter reclamado com vídeos numa rede social, o que levou à suspensão de contas. Pensámos também que os direitos poderiam ser da VSports, mas como não têm nada no site, assumimos que não os têm. Como a TVI apenas se queixou de vídeos e não das imagens, optámos por fazer a análise com recurso a prints, já que isso em nada influencia ou prejudica a audiência que têm. Contudo, qualquer problema, contactem-nos por e-mail (euvistodevermelhoebranco@gmail.com).

 

Terminados os compromissos amigáveis de pré-época, era altura de começarem os jogos a valer. Em virtude da conquista do 35º campeonato, o Benfica disputou a Supertaça contra o vencedor da Taça de Portugal, o Sporting de Braga. Rui Vitória apresentou o 11 que era mais ou menos esperado, sem nenhuma grande surpresa. Júlio César, Nélson Semedo, Luisão, Victor Lindelöf, Grimaldo, Fejsa, André Horta, Pizzi, Cervi, Jonas e Mitroglou foram os 11 eleitos para o primeiro troféu oficial da época 2016/2017.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45

Este não é esse tipo de texto

por Zlatan, em 21.05.16

 

Há uns 20 anos, a SIC transmitia um programa de grande sucesso para a altura chamado “Perdoa-me”. Para o leitor que não está familiarizado com o programa, o título do mesmo é auto-explicativo. Duas pessoas, amigos, irmãos, familiares, iam ao programa numa tentativa de fazerem as pazes, após se terem afastado por qualquer motivo. Era tudo muito bonito. Os dois reconheciam que tinham errado, que tinham dito coisas sem pensar, que deviam ter tido mais paciência e que se calhar até exageraram nas reacções. Acho que já perceberam onde quero chegar. Mas não vai ser esse tipo de texto que vou escrever.

 

Isto não é um pedido de desculpas ao Rui Vitória, ao Vieira, ao plantel do Benfica ou a todos aqueles que sempre acreditaram no sucesso desta equipa. Eu nunca acreditei, nunca escrevi em caps a exigir apoio ou respeito, nem nunca me senti sereno e calmo à espera de resultados. Sofri à minha maneira, perdi cabelo, envelheci 24 anos, enfim, o normal. Por isso não, isto não é um pedido de desculpas nem um “eu sempre acreditei”. É mais um agradecimento, até.

 

Não era adepto do Rui Vitória, nunca o fui. Fiquei naturalmente preocupado quando veio para o Benfica. Não pela saída do anterior treinador, mas pela entrada do novo. Mas a partir do momento em que é o meu treinador, terá mais um apoiante do seu lado.

 

Vi todos os jogos da pré-época e esforcei-me - a sério que me esforcei - para me manter positivo. Aguentei noitadas até às 5 da manhã para ver 1 remate à baliza em 90 minutos, aguentei ver o desnorte em campo e eu próprio me senti com jet-lag. Destaquei, neste mesmo espaço, o quão importante era vencer a Supertaça, entrar bem na época e vencer pelo Benfica, mas tudo isso passou. O tempo foi passando, as coisas foram mudando, mas o Benfica não. Sentia uma vontade impotente na equipa em querer alterar as coisas, mas tudo o que podia correr mal, corria. Só faltou aparecer um jogador grávido.

 

A breve ilusão rapidamente se deprimiu e não via a hora deste malvado ano chegar ao fim. Não havia nada por onde se pegasse, nenhum ponto positivo, nenhum vislumbre de melhorias. Percebi, mais depressa do que gosto de reconhecer, que esta época estaria condenada.

 

Mas o tempo foi passando, as coisas foram mudando e o Benfica também. Por este, por aquele ou até pelo outro motivo. Aquilo que parecia uma utopia tornou-se numa realidade. O Benfica alcançou o feito mais importante dos últimos anos e fê-lo como é seu apanágio – de uma forma épica, orgásmica, sofrível por vezes. À Benfica.

 

E então (agora sim) quero agradecer ao Rui Vitória, por ser melhor do que eu. Por ter sido forte, por ter mantido sempre a postura, por ter um discurso que não envergonha o Sport Lisboa e Benfica e por, como eu e vocês, compreender a dimensão e exigência que impera no clube. Mais do que qualquer outra pessoa, o Rui Vitória podia ter extravasado, dado resposta a quem não merece ou até mudar o tom, mas nunca o fez. Soube perder e soube ganhar. Quero agradecer-lhe por ter sido o protagonista de uma das épocas mais satisfatórias a que já assisti e por me ter dado uma das maiores alegrias da minha vida, senão mesmo a maior. É a pessoa que mais merece esta vitória.

 

Quero agradecer ao melhor plantel que passou pelo clube nos últimos largos anos. Agradecer-lhes por se terem unido, por terem percebido o que estava a acontecer, por terem suportado tantas adversidades e por terem honrado a camisola do Benfica. Obrigado por terem defendido o clube em todos os jogos e terem dado a volta por cima. Com vocês, ia ver um jogo a qualquer lado. Jogaram à Benfica, foram e são Benfica. Eu, enquanto adepto, confesso que, além de ganhar títulos, não há mais satisfatório do que ver um jogador compreender e identificar-se com a grandeza e mística do clube, e vi isso neste grupo. Em todos, sem excepção. Até no Taarabt, que está a festejar o 35 desde Agosto.

 

Em Setembro, a quente (ou então não), escrevi que esta época, para o bem ou para o mal, teria Vieira escrito na testa e que em Maio saberíamos todos para onde olhar. E hoje, Maio, sei bem para onde olhar. Para o bigode do Luís. Quero e devo agradecer-lhe e dar-lhe os parabéns (este ano sim) por ter conseguido, e de que maneira, o que queria. Provar que ninguém é maior que o clube e que temos a obrigação de dar as condições a qualquer treinador para vencer. O Benfica tem sempre de vencer. Esta época foi uma ideia sua, uma aposta pessoal, portanto, se estou cá para criticar, também tenho de estar para reconhecer méritos e este ano Vieira tem muitos para recolher.

 

Mas para isto não ser tudo uma choraminguice, quero também dizer que não é por isto que vou deixar de ser exigente com o treinador, com o presidente e com a equipa. Vou criticar e colocar coisas em causa se assim o entender. Vou manifestar o meu desagrado se concluir que o clube não foi competente. E se isso significar que tudo se resolva meses depois, então que o seja. Nunca me vou conformar com o Benfica, nem nunca me vou encostar na sombra de sucessos anteriores. Não esqueço o passado, mas irei sempre precoupar-me com o presente e o futuro do clube e irei sempre dizer o que penso, mesmo que possa vir a não ter razão. Nunca teremos títulos a mais e nunca uma vitória será suficiente. Porque é o Benfica. É isto que se exige quando se vive o Benfica, quando só se vive Benfica.  

 

Queria dizer muitas mais coisas, mas acho que todos sentimos o mesmo neste momento. Ser do Benfica é uma coisa magnífica. Obrigado a todos, parabéns a todos, viva o Sport Lisboa e Benfica.

 

#RumoAo36

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40

 

Júlio César, Nélson Semedo, Lisandro, Jardel, Sílvio, Fejsa, Samaris, Gaitán, Ola John, Talisca e Jonas. Éderson, Carcela, Diego Lopes, Bilal Ould-Chikh, Mitroglou, Murillo, Pelé, Taarabt, Marçal, e Francisco Vera. De um lado, temos os jogadores que foram titulares na Supertaça, no outro temos os jogadores contratados para esta época. Nomes em comum? Nenhum.

 

Rui Vitória herdou para o início da corrente época um plantel bicampeão, mas que viu sair o titular do lado direito da defesa, um dos avançados, Lima, e ainda temos o caso de Salvio que sofreu uma grave lesão no joelho. Para juntar a isso, o treinador do Benfica não pôde contar com o capitão Luisão para o jogo da Supertaça. Já durante a época passada, em Janeiro, o Benfica tinha vendido Enzo, e a equipa sentiu-se disso na 2ª volta, não tendo tido até agora um substituto à altura. Resta ver que desde a saída de Enzo, o Benfica tem menos pontos no campeonato que o Porto, mesmo com Jorge Jesus no comando da equipa. O plantel já era de si algo fraco, todos temos a noção disso, com lacunas. Quer se queira quer não, Jorge Jesus nos dois últimos anos conseguiu montar um colectivo extremamente forte e que conseguiu mascarar muitas das lacunas que vários jogadores tinham. Não há que esconder isso, tinha muitos defeitos mas também muitas virtudes, e eu até devo ser uma das pessoas no mundo que menos gosta do agora treinador do Sporting. 

 

Ora bem, a estrutura do Benfica achou por bem dar um avanço de um mês e meio. Para além de não se aperceber que a pré-época tinha sido preparada de um modo amador - assunto que ainda abordarei, mais uma vez -, decidiu que esta equipa só se devia começar a reforçar a sério na semana da Supertaça, mas antes disso decidiu contratar 11 jogadores, e que apenas um tem contado até agora, Carcela. Como se isso não bastasse, ainda deixou sair titulares sem se acautelar a tempo. Destes 11 jogadores que chegaram, muitos nem estão no clube, ou sequer se apresentaram. A estrutura do Benfica tem que perceber que são estes Marçais, estes Pelés, estes Veras, que roubam o lugar a jogadores da formação, não os craques que saem, e não se pode pensar que um Enzo sai e João Teixeira assume logo o lugar. Estamos com quase um mês e meio desde o início dos trabalhos e o Benfica jogou um jogo oficial sem 4 titulares do ano passado – 5 se for contar com Eliseu, mas como foi opção técnica não entra neste lote - e sem nenhum reforço na equipa. Lembrem-se, o campeonato começa esta semana.

 

Rui Vitória, tem estado a desiludir-me e muito, não vou mentir. Esperava muito muito mais, porque a jogar assim, nem com Ibrahimovic e Suárez na frente. Não tem conseguido retirar quase nada dos melhores jogadores da equipa, nem fazer com que outros mostrem algo. Há muito de mau que se pode falar do jogo da Supertaça, muitos equívocos, muitas coisas que não se entendem e acima de tudo, um péssimo futebol que o Benfica tem praticado. No entanto, também muita da responsabilidade não se pode culpar exclusivamente a ele. As condições que ele teve até agora foram bastante duvidosas. O fardo que ele herdou é muito grande e pesado. Deveria ter sido acautelada a forma tranquila como a equipa trabalharia. Estar 6 anos com um treinador e depois chegar outro, não é nada fácil, há muita coisa que é preciso mudar. O padrão de exigência dos adeptos é agora, naturalmente, maior para com o treinador. Só esta semana teve direito a um verdadeiro reforço, teve uma pré-época difícil e a equipa chegou a Portugal na semana em que disputaria um título, e que representava muito para os adeptos do Benfica. 

 

«Estivemos 16 dias fora e foi razão para muitos falarem de falta de organização da pré-temporada. Esses têm complexo de clube pequeno»

 

Esta foi uma das frases que Luís Filipe Vieira disse durante esta semana, e que me tocou particularmente. Não que tenha sido dirigida a mim, claro, sou apenas um simples adepto do Benfica que pensa pela sua cabeça, mas que foi dirigida a todos os que tentam entender algo e pensar pela sua cabeça. O que acha agora o presidente do Benfica depois de ver num jogo oficial, um jogo que estava um troféu em disputa, um jogo que contava bem mais que uma simples taça, ver aos 30 minutos um Samaris ou um Fejsa que já não podiam com o rabo? Isto de se vir falar e bater palmas a tudo é muito bonito, mas sem a exigência e a crítica construtiva, as coisas não melhoram. Para se melhorar, primeiro é preciso perceber que se erra, mas a estrutura do Benfica nunca vai admitir que errou nesta questão, porque precisava daquele dinheiro como de pão para a boca. Três semanas sem nenhum jogo, poucos jogos de pré-época, jogos em condições muito duvidosas para os jogadores, horários muito diferentes dos normalmente praticados, muitas viagens, o chegar a Portugal já na semana de jogo, quando os jogadores precisariam ainda de se voltar a habituar aos novos horários e clima, foi de uma incompetência atroz, ainda para mais quando a equipa viu chegar um novo treinador. E isso teve custos, não para a estrutura do Benfica, mas para a equipa e treinador, como se viu no Domingo. 

 

Os reforços irão chegar naturalmente agora, serão bons jogadores, e isso será quase o começar de uma nova pré-época para o treinador do Benfica, isto na semana do inicio do campeonato. Quem é que ainda não tinha percebido que o Benfica precisava de reforços que entrariam de caras na equipa titular? É preferível comprar pouco e bem, que muito e mal. Preferiria um jogador que fosse titular de caras da equipa, do que todos aqueles nomes que todos os verões vemos chegar à Luz e que pouco contam. A estrutura do Benfica que não pense que por termos sido bicampeões fazem tudo bem, e que não há nada que melhorar. Que não pense que estamos na frente por termos sido bicampeões e os outros é que têm de correr atrás de nós. É preciso exigência, trabalho, não andar a viver de anos anteriores, e não utilizar sempre o mesmo discurso para qualquer situação que aconteça.

 

Que no fim da época nada disto pese, e que o Benfica ganhe tudo o que ainda há para conquistar internamente, é só o que peço.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12

 

Desta vez foi a sério e o Benfica voltou a jogar pouco. Muito pouco. Já se passaram 5 semanas e ainda há muito trabalho pela frente, a equipa continua muito desgarrada, muito fraca ofensivamente e com os sectores a jogar muito longe uns dos outros. Na frente Jonas recebe a bola, vira-se e tem a equipa quase no seu meio-campo, muito longe para o apoio, obrigando-o a temporizar para sofrer uma falta ou ficar sem a bola. Passar ao Talisca não é opção, é preferível chutar logo a bola para a bancada. O Talisca é, para mim, um dos casos mais enigmáticos dos últimos anos, porque passa constantemente por bom jogador - jogos a titular e o primeiro a saltar do banco quando lá está - e continua a mostrar uma banalidade constrangedora. Arrisco dizer: o Talisca, neste momento, não seria titular numa equipa que luta para não descer à 2ª Liga. E o problema dele não se resume exclusivamente ao plano técnico, o Talisca é um jogador pouco inteligente; e não vou dizer de outra forma para não ser ofensivo com ele, já que para todos os efeitos é 'jogador' do Sport Lisboa e Benfica.

 

Com a análise ao jogo, começo por uma jogada que em 3 imagens mostra bem o que é o Benfica de Rui Vitória em 3 momentos do jogo distintos. Isto é tudo na mesma jogada, passam apenas alguns segundos entre todas as imagens:

Na primeira imagem o Benfica perde a bola, organiza-se em 4-2-3-1 e Samaris é o primeiro a sair para pressionar. É incrível o buraco que se forma atrás dele. Incrível. Neste momento há uma linha de passe para o João Mário e o jogador que está mais próximo e que deveria fazer a pressão é o Talisca. É preciso explicar? Desenrolar da jogada: o João Mário recebe a bola tranquilamente, tem em cima uma pressão sufocante do Talisca com os olhos e acelera o jogo, e põe facilmente na linha. Assim não há pressão que resista, o Sporting com alguma segurança a sair a jogar, conseguiu criar um momento ofensivo.

Na imagem seguinte, é a continuação da jogada, o jogador do Sporting recebe na linha e tem logo uma linha de passe no meio para o Slimani, que desceu no terreno para fazer a ligação. A jogada só não deu mais porque as lacunas técnicas de Slimani sobressaíram e ele embrulhou-se com a bola. Excelente movimento do Sporting, péssimo movimento do Benfica. O buraco no meio-campo continua lá.

Depois o Benfica recupera e sai a jogar por Gaitán. Mas é o Nico contra o mundo, a equipa do Benfica não subiu, Gaitán teve que arriscar levar a bola e acabou por conseguir pôr na linha em Sílvio que entretanto subiu. A equipa do Benfica tem que subir em bloco para dar apoio ao transportador da bola, desta forma só criamos perigo através de jogadas individuais. 

 

 

Momento defensivo do Benfica na saída da bola do Sporting: Jonas sai na bola, Samaris sobe no terreno para fechar linhas de passe interiores, Gaitán por dentro para fazer campo mais curto e Talisca a fazer qualquer coisa que não consigo perceber o que é, mas é útil para a equipa de certeza. Este momento parece-me bem defendido e o Benfica recuperou a bola rapidamente.

 

 

O Benfica recupera a bola na sua zona defensiva, Samaris é quem tem a bola e não tem ninguém para passar em segurança pois a equipa continua muito distante entre sectores. A única solução era para Fejsa, mas Slimani está por perto e um passe interior naquela situação seria sempre arriscado. O grego acabou por bater a bola porque era a única opção que tinha. Bola recuperada pelo Sporting.

 

 

Num lançamento lateral, Semedo põe no Talisca que cabeceia para trás, mas aqui sem grande responsabilidade do brasileiro, o Benfica está partido em dois e ele não tem ninguém com quem trocar a bola. É urgente resolver este problema do Benfica; é preciso atacar e defender com um único bloco, jogar com uma equipa que defende e outra que ataca, não favorece o nosso jogo.

 

 

É das poucas coisas positivas que se pode tirar do jogo do Benfica: a pressão na saída da bola do adversário; começamos mal mas com o passar do tempo adaptámo-nos bem e conseguimos obrigar o Sporting a ter que ir batendo a bola. Samaris saiu sempre para formar uma primeira barreira e Fejsa fechou bem as suas costas para a bola não entrar entre linhas. O Sporting teve que jogar longo e perdeu a bola.

 

 

Está assim apresentado o Benfica ofensivamente. Boa subida no terreno de Nélson Semedo, ganha espaço para cruzar, faz um bom cruzamento e os jogadores do Benfica presentes estorvam-se na área em momento de finalização. Não há grandes comentários a fazer quando isto acontece numa equipa como o Benfica.

E só para esclarecer, não estava ninguém na área para finalizar. Sintomático.

 

 

Na análise que fizemos da Eusébio Cup, o P1nheir8 mostrou uma imagem do Sílvio completamente desposicionado a marcar na linha e a dar todo o interior do campo para a bola entrar; parece que isso lhe serviu de aviso já que desta vez não repetiu o erro, não encostou na linha e ficou por dentro, como resultado teve um excelente corte a um passe de desmarcação para o Carrilo que o ia deixar entrar na área com grandes possibilidades de criar perigo. Muito bem o Sílvio neste movimento. A imagem é no momento do passe para o Carrilo, o Sílvio ainda não cortou a bola.

 

 

Esta imagem é já na segunda parte e nota-se logo uma alteração no Benfica: Talisca é encostado à esquerda e Gaitán fica a 10, a tentar ligar o jogo entre Jonas e o resto da equipa. Ola John mantém-se na direita.

 

 

Movimento ofensivo do Sporting, a bola entra com facilidade em Carrilo em zona mais interior, que mesmo com Sílvio e Talisca posicionados para defender, a bola entra em profundidade na linha em João Pereira que se desmarca bem. O lance acaba com um cruzamento bombeado que o Sporting não aproveitou. Bom movimento ofensivo e mais uma vez o Benfica defende com muita gente e defende mal. Talisca tem que ser mais ativo a defender, não pode simplesmente ficar a olhar para a bola a entrar.

 

 

Benfica recupera a bola e tenta sair a jogar. Sílvio joga na linha em Talisca que tem linha de passe completamente aberta para Sílvio e dá logo para perceber que ele vai devolver, mas Talisca resolve segurar a bola mais um pouco e faz o passe para o Silvio quando ele já tem um jogador adversário em cima. Talisca esteve mal, muito mal, mas também dá para perceber que o Benfica continua com os setores muito longe uns dos outros e era difícil sair a jogar.

 

 

Começa assim o golo do Sporting. Carrilo vem buscar a bola por dentro e consegue passar para Gutiérrez que recebe a bola entre as linhas do Benfica. É um movimento típico das equipas de Jorge Jesus, mas parece que ainda há quem não o conheça. Teo recebe a bola, roda, acelera e joga em Carrilo que depois remata. Custa-me entender como é que o Benfica permitiu sempre este movimento ao Sporting, os dois avançados desciam entre linhas para receber a bola com a maior facilidade do mundo. O Benfica não pode ser apanhado desprevenido num movimento destes, é imperdoável.

 

 

Depois de sofrer o golo, Rui Vitória tira do jogo Talisca e põe Pizzi. O Benfica passa a defender em 1-2 no meio-campo com Fejsa atrás, Samaris e Pizzi mais à frente. O Benfica teve mais jogo porque Pizzi circula melhor a bola, mas o Sporting também baixou linhas e deu espaço ao Benfica.

 

A partir daqui não há muito a assinalar. O jogo foi mais pelo coração do que pela cabeça, o Benfica dominou mas sem criar grande perigo, continuou desorganizado e a tentar explorar as alas, onde Nélson Semedo foi importante porque dá mais balanceamento ofensivo à equipa. Boa exibição do Nélson. Rui Vitória foi tentando mexer no jogo entrando Mitroglou e Gonçalo Guedes, mas o resultado prático não foi nenhum, pois o Sporting foi defendendo com mais gente e sempre organizado.

 

Em resumo, o Benfica tem que dar mais, muito mais. No plano ofensivo a equipa praticamente não existiu, e jogar com Talisca a avançado para fazer a ligação com Jonas simplesmente não funciona. É preferível jogar com o Guedes porque é mais incisivo e tem vontade de fazer qualquer coisa, já que o Talisca parece que está em campo a fazer um favor a todos os Benfiquistas. Não é só ele, mas é o jogador que mais se destacou pela negativa.

 

Depois do golo de Jonas ao PSG, o Benfica só marcou 1 golo em 498 minutos. Sintomático.

 

No plano defensivo, a equipa esteve melhor, mas também era mais fácil porque defendeu com mais gente e teve sempre muito trabalho pela frente, nunca dando espaço para que existissem desconcentrações. A dupla Fejsa/Samaris dá robustez ao meio-campo, mas deixa a equipa muito distante entre setores, porque nenhum deles é um jogador típico de ligação. Na minha opinião, Rui Vitória deveria apostar num sistema 1-2 no meio-campo, como fez depois de estar a perder. Nesse sistema pode jogador Fejsa - Samaris e Pizzi, por exemplo. Pizzi seria o jogador de ligação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:57

"É o Benfica"

por Zlatan, em 08.08.15

 

Sou uma pessoa extremamente pessimista. Por vezes gosto de me convencer que sou apenas realista (e sou!), mas tenho tendência para ser demasiado negativo. Levo a Lei de Murphy demasiado a sério. Talvez por isso tenha alguma dificuldade em “confiar” no Benfica. Vou quase sempre preparado para o pior e dessa maneira custará menos se correr mal. Ou pelo menos tento acreditar nisso. Sinto que vivo o Benfica de uma forma complicada. Pouco saudável, vá. Procuro um equilíbrio que sei que nunca irei encontrar. Sou capaz de delirar com uma vitória, como colocar tudo em causa depois de um empate com uma má exibição. É o Benfica, é normal.

 

Gostava de ser aquele adepto que puxa imediatamente um cântico de apoio no estádio quando sofremos um golo, que acha que é possível recuperar de uma derrota aos 70 minutos ou que acredita que o Luisão vai marcar de cabeça após livre de Petit num derby a terminar o jogo. Esse tipo de coisas.

 

Por todos estes motivos, sinto que provavelmente não sou a pessoa mais indicada para escrever este texto ou para vos dizer que acredito na vitória do Benfica. Isto é, no fundo, um desabafo.

 

Torna-se desnecessário assumir todas as semanas que o jogo desse dia é “muito importante”. Porque é sempre. É certo que surgem sempre motivos diferentes, mas cada jogo ganha um peso e um significado particular porque isso faz parte da nossa cultura. Espera-se a vitória. Vencer e convencer. Ganhar à Benfica. É isso que se exige. Todos os jogos são muito importantes, mas este é muito importante.

 

Esta Supertaça é apenas um jogo, apesar de não o ser. Depois de dois meses quase surreais, surge o nosso momento. O momento em que teremos de justificar e dar resposta a tudo o que aconteceu. Com o cérebro, mas também com o coração. Correndo o risco de ser estupidamente dramático, este jogo não é um troféu, um derby ou um início de época. Não o consigo ver dessa forma, não faz sentido assim. Precisamos de mostrar que estamos vivos, mas que não vivemos obcecados com terceiros. Que temos ainda mais vontade de continuar a vencer, que não somos reféns de ninguém e que a resposta, como sempre, é apresentada em campo. É, sobretudo, um teste à nossa honra.

 

É também um teste de peso para Rui Vitória, que terá a responsabilidade de corrigir e melhorar o que tem sido feito até agora, passando a mensagem certa para os jogadores. Sendo o nosso treinador e estando perfeitamente alinhado e identificado com a identidade e filosofia do clube, também ele quererá, certamente, mostrar que somos superiores.

 

Podia descrever detalhadamente todos os motivos que tornam este jogo numa ocasião nuclear, recorrer a chavões e frases feitas ou apresentar situações semelhantes em que fomos felizes, mas parece-me curto e até escusado. Todos temos consciência do que este jogo significa e caberá à equipa do Sport Lisboa e Benfica dar uma resposta à altura do clube.

 

Nunca nenhuma equipa perdeu um campeonato por falhar na Supertaça, mas vamos começar a vencê-lo ao conquistar estre troféu. Porque é o Benfica, é normal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15


Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D