Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

No dia de ontem, o Benfica defrontou o Wolfsburgo, naquele que foi um excelente teste de pré-época e que será analisado mais pormenorizadamente no dia de amanhã no nosso blogue, à semelhança do que acontecia na época passada.

 

Falando um pouco da organização defensiva do Benfica, vimos que a equipa continua a crescer nesse aspecto. Assistimos a um bloco defensivo quase sempre bem alto, a não ter receio do espaço nas costas, com pouca profundidade e amplitude, tentando fechar sempre o espaço central e com diversas coberturas defensivas, principalmente na zona de meio-campo. A defesa estava sempre ou quase sempre bem alinhada, com os defesas juntos e os laterais a fechar o espaço interior. A maior dificuldade prendeu-se no controlo da amplitude do lado contrário da bola quando o centro de jogo era virado, já que os laterais e os médios ala fechavam algumas vezes a mesma linha e, como não havia muita pressão ao jogador com bola, deixavam-se fazer vários passes longos, tendo depois o bloco de bascular, nem sempre de forma eficiente.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

Análise a André Horta

por P1nheir8, em 02.06.16

 

Embora, há algumas semanas atrás, o presidente do Vitória de Setúbal já tivesse confirmado o acordo com o Benfica, só ontem se tornou oficial. Depois de, em 2012, André Horta ter saído dos Juvenis do Benfica para Setúbal, o jovem médio está de regresso ao clube onde passou vários anos da sua formação, e também ao clube do seu coração.

 

Ele nunca escondeu que o Benfica continuou sempre a ser o seu clube mesmo que, eventualmente, tenha sentido alguma mágoa perante a dispensa na formação. Presença habitual nos pavilhões da Luz, demonstra sempre muito amor ao nosso clube. Não tenho a mínima dúvida que é um de nós e sentirá o símbolo que trará ao peito como poucos.

 

Foi das maiores revelações da Liga NOS, apresentando um nível individual bastante alto para um jovem de 19 anos, num campeonato como o nosso. André Horta é irmão de Ricardo Horta que joga no Málaga e que também passou na formação do Benfica. Costuma haver muita discussão sobre qual dos dois tem mais qualidade, mas a minha opinião é de que o André tem mais potencial, qualidade e também uma maior margem de progressão que o irmão.

 

De meias sempre em baixo e ligado à corrente durante os 90 minutos, é um médio ofensivo que pode desempenhar também as funções de médio centro, e penso que será a 8 que se fixará com o passar do tempo. Fisicamente é muito franzino, o que lhe faz perder muitos duelos corpo a corpo e perder vários lances, mas é dotado de uma grande agilidade e com um centro de gravidade bem baixo. Ter uma estatura baixa, também o faz perder praticamente todos os duelos aéreos que disputa, o que acaba por ser normal. É muito irrequieto e tem um grande raio de acção, aparecendo em muitas zonas do campo ao longo dos 90 minutos. Tem uma excelente relação com a bola quer ao nível das recepções, do toque de bola, do drible, da condução e do passe. Sai muito bem de espaços curtos e é bom a proteger a bola, tendo um drible curto bastante interessante. Não se esconde, gosta de ter o esférico, sem ter problemas em assumir as despesas.

 

É um jogador que com a bola gosta de progredir no campo, quebrando as linhas adversárias. Pragmático, gosta de jogar simples em passes curtos e combinações, sendo bom no passe, apesar de precisar de apurar o timing de soltar a bola e para onde o fazer. Tem uma coisa muito boa: as recepções orientadas, recebendo muitas vezes para orientar a bola para o momento que já pensou em fazer na sequência, o que lhe poupa segundos precisos, sendo que prefere jogar a bola no chão, e não andar com passes longos pelo ar. Anda sempre por diversas zonas do campo, a tentar ser solução. Gosta dos movimentos de ruptura sem bola nas costas da defesa contrária - talvez este movimento acontecesse também muito devido aos insistentes pedidos de Quim Machado - e de procurar o espaço entre linhas na frente da defesa, mas precisa de melhorar os lugares que vai pisar, ou desgastar-se-á muito nesta incessante busca que depois não é servida ou necessária. Temporiza muito bem e não é fácil roubar-lhe a bola sem ser nos duelos onde entra a parte física. Precisa de melhorar o seu posicionamento defensivo, principalmente sem bola, onde muitas vezes fica algo perdido em campo.

 

Gosto muito deste tipo de contratações do Benfica e fiquei bastante contente com a oficialização deste negócio. É um jogador que me agrada muito e em quem vejo potencial para crescer mais e mais. Não me parece que pegue já de estaca na equipa principal, precisando de entrar aos poucos, mas a qualidade está toda lá. Vamos ver como reagirá a este nível de exigência maior e a uma pressão mais elevada. E, claro, ser jogador/adepto ajudará, será como se uma parte de nós, que sofremos por este clube, esteja ali representada. Só isso não o ajudará em campo, mas a verdade é que será também fundamental.

 

* Na impossibilidade de colocar aqui os gifs, devido ao problema dos direitos televisivos, e que serviriam de suporte ao artigo como tem sido habitual, terei de colocar dois vídeos que estão no Youtube.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32


Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D