Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

O Benfica disputou ontem o último jogo de preparação antes da Supertaça. Rui Vitória disse que a equipa titular iria ser perto daquilo que ia usar no jogo contra o Sporting, mas que não ia ser a mesma. Para este jogo, o Benfica apresentou-se em campo com Júlio César na baliza, André Almeida a lateral direito e Sílvio a lateral esquerdo, com Luisão e Lisandro López a formarem a dupla de centrais. No meio-campo estiveram Fejsa e Pizzi, com Talisca e Gaitán nas alas. A dupla de avançados foi composta por Jonas e Jonathan Rodríguez. As duas principais novidades foi a entrada de Lisandro  para o lugar do lesionado Jardel, e de Jonathan para o ataque.

 

Os primeiros 10 minutos foram divididos. O Benfica a tentar ter bola, mas a não correr riscos a jogar a sair de trás, fazendo posse de bola principalmente quando chegava a zonas de mais segurança. O Monterrey começava a aperceber-se que ia ter espaço para jogar, principalmente no espaço entre a defesa e meio-campo do Benfica e nas costas da defesa.

 

Aos 13 minutos, Pabón, jogador do Monterrey aparece isolado, mas Júlio César defende. Aos 18 minutos, e após procurar o espaço interior, Talisca remata com perigo, mas a bola passa por cima. Perda de bola de Pizzi aos 21 minutos, e o Monterrey em contra-ataque quase marca, valeu mais uma vez Júlio César.

 

Pouco de interessante se passava no jogo, até que aos 27 minutos Fejsa recupera muito bem uma bola e avança no terreno. A equipa desdobra-se bem, aparecendo Jonas e Gaitán a combinar, mas Gaitán quando devia ter rematado tenta a assistência e o lance acaba por se perder. Aos 30 minutos o Benfica pressiona muito alto a saída a jogar de um pontapé de baliza do Monterrey, Jonathan consegue recuperar a bola e cruza a área, onde aparece Jonas a cabecear mal.

 

Aos 33 minutos de jogo, voltamos a ter um jogador do Monterrey isolado, após se desmarcar entre Lisandro e Sílvio, mas acaba por rematar ao lado.  Por volta dos 37 minutos, contrariedade na equipa do Benfica. O capitão Luisão sai lesionado, com queixas na zona abdominal, e entra Samaris, recuando Fejsa para central. Perto do intervalo, o Benfica consegue trocar a bola, aparecendo Pizzi a rematar de fora da área, mas a bola vai por cima da barra. O jogo acabou por chegar ao intervalo sem mais nada de interessante acontecer e com o 0-0 no marcador.

 

Esta primeira parte foi quase uma cópia do jogo contra o América. Equipa a ter alguma segurança na posse de bola, principalmente quando conseguia chegar com ela aos médios ou quando a recuperava no meio-campo, mas mesmo assim apenas criou lances de maior perigo com recuperações de bola alta e não em ataque continuado. A posse de bola foi muito lenta, com muito pouco dinamismo e velocidade. As saídas a jogar voltaram a piorar, com a equipa a jogar cada mais longo na frente e arriscar cada vez menos. A defesa foi apanhada com muitas bolas nas costas, principalmente entre Lisandro e Sílvio. Nota-se também cada vez mais um buraco entre o meio-campo e a defesa, mesmo com Fejsa em campo. A defesa não tem estado tão subida como se calhar devia, e tem havido pouco controlo da profundidade.

 

Rui Vitória continua a insistir em Pizzi a 8, com um meio-campo com dois homens. Se nos jogos em casa e contra equipas mais fracas ele ainda consegue esconder as suas fragilidades naquela posição, em jogos mais a doer, não dá mesmo. André Almeida foi mais do mesmo nesta primeira parte, não conseguindo dar nada ofensivamente à equipa, e Sílvio do lado oposto com tanto corredor para explorar, também não esteve bem. Com o jogo interior de Gaitán, ele tem muito espaço para avançar, mas depois com a necessidade de vir para dentro com a bola, não consegue dar a profundidade desejada. Talisca fez um péssimo jogo, onde apenas num remate de fora de área conseguiu criar perigo. Péssimo a nível do passe e nas restantes acções do jogo. Já se viu, e não é de agora, que Talisca não pode jogar na ala, mesmo passando muito tempo a jogar mais interior. Jonas voltou a fazer um jogo longe do que nos habituou. De Jonathan, o que posso dizer é que o melhor que tem conseguido mostrar é a boa capacidade de pressão que consegue fazer, porque de resto pouco mais. Deve ter tocado umas 10 vezes na bola durante a 1ª parte. Também se viu que Lindelöf pouco conta, com a saída de Luisão o treinador do Benfica preferiu apostar em Fejsa a central do que fazer entrar aquele que será, eventualmente, o 4º central do plantel.

 

 

Aqui, o problema da linha defensiva e do espaço entre a defesa e o meio-campo. Jogador do adversário com bola, a preparar-se para fazer um passe longo para as costas da defesa. Luisão e André Almeida a formarem uma linha e depois Lisandro e Sílvio mais atrás. O capitão faz sinal a Lisandro com o braço para eles os dois subirem, mas eles não o fazem, e o Benfica leva com uma bola nas costas. O passe nesta altura ainda não saiu e o jogador do Monterrey já se está a movimentar e a avançar no terreno. Se os jogadores do Benfica estivessem em linha, o avançado do Monterrey estava em fora-de-jogo. Os médios poderiam também ter pressionado mais o portador da bola.

 

 

Duas vezes em que a equipa podia tentar sair a jogar e não o tentou, tendo Júlio César batido a bola para a frente.

 

 

Temos aqui três exemplos do que é o grande afunilamento do jogo ofensivo do Benfica em posse de bola. Assim, e sem largura nas alas, ou situações de 2 para 1, é muito difícil criar-se perigo. No primeiro lance vemos mesmo André Almeida e Talisca bem no meio do terreno, e nem um jogador aberto na ala para depois de tentar bascular o jogo para cá.

 

 

O jogo interior dos médios ala em praticamente todas as tentativas de sair a jogar, deixando as alas para os laterais.

 

 

Jogada simples de saída a jogar do Monterrey, que consegue entrar com a bola na ala. Fejsa vai dobrar André Almeida na ala, ficando um enorme buraco no meio-campo, com Pizzi muito longe e André Almeida a não tentar rapidamente fechar o espaço de Fejsa. O Monterrey desdobra-se bem e aparece com um jogador solto à entrada da área, que remata com muito perigo quase sem oposição. Só quase no momento do remate, Pizzi chega perto e nenhum defesa do Benfica saiu para tentar estorvar o jogador adversário. Sobre este lance, José Calado, comentador da BTV, descreveu-o como muito bom por parte do Benfica.

 

 

Médio do Monterrey a avançar com a bola sem grande pressão por parte dos jogadores do Benfica, Sílvio muito aberto na ala e com muito espaço entre ele e Lisandro. Bola fácil entre o lateral e central, diagonal do jogador da equipa mexicana que se isola.

 

 

A pressão alta que a equipa do Benfica faz sempre que o guarda-redes adversário tem a bola, tentando sempre obrigar a que ele jogue longo na frente. 

 

 

Uma coisa que tem mudado no Benfica, é o número de jogadores que defendem e que estão atrás da bola. Nesta jogada, podemos ver os 11 jogadores do Benfica atrás da linha da bola.

 

 

Mais uma vez, a equipa do Benfica a pressionar com vários jogadores muito perto da bola, mas a defesa do Benfica muito longe do meio-campo e baixa no terreno, assim como desalinhada. 

 

 

Para a 2ª parte, não houve substituições, tendo entrado a mesma equipa que tinha acabado a 1ª parte. Aos 48 minutos, e após recuperar uma bola, Lisandro preocupa-se mais em colocar a mão na cara do adversário do que em bater a bola e acabar com o lance, tendo o árbitro marcado falta. Livre lateral, ninguém do Benfica ataca a bola e aparece o jogador da equipa mexicana a fazer o primeiro golo da partida. Logo de seguida o Benfica quase empata, com um jogador adversário perto de fazer auto-golo, mas a bola vai ao poste.

 

O jogo continuava aquilo que foi na 1ª parte, com a diferença de que o Benfica não conseguia pressionar tanto e começava a haver ainda mais espaço entre os sectores. A equipa começava a mostrar também muito cansaço. Aos 56 minutos Pizzi tenta cortar uma bola de carrinho, mas acaba por tocar com a mão na bola, sendo assinalada grande penalidade. Funes Mori faz o 2-0 para os mexicanos. Logo de seguida, Rui Vitória faz entrar Lindelöf, Nélson Semedo, Carcela e Nélson Oliveira, para os lugares de André Almeida, Pizzi, Talisca e Jonathan. Lindelöf foi para central, Nélson Semedo para lateral direito, Samaris e Fejsa formaram a dupla de meio-campo, Carcela a médio direito e Nélson Oliveira a fazer dupla com Jonas na frente. Nélson Semedo mostrou mais em termos ofensivos em 30 segundos, que André Almeida na pré-época toda.

 

O jogo acalmou muito, ambas as equipas baixaram a pressão, deixando jogar mais o adversário. Samaris era o único que continuava em rotação mais alta. Nada de importante se passou em quase toda esta segunda parte. Jogo em ritmo baixo, jogadores a passo e um mau futebol. Rui Vitória aos 78 minutos tirou Jonas e lançou Nuno Santos, passando Gaitán a apoiar Nélson Oliveira no ataque. Os 80 minutos, os mexicanos fazem o 3-0 no marcador, que foi o resultado final.

 

Esta 2ª parte foi terrível para o Benfica, como o próprio resultado indica. Equipa completamente desligada entre si, cada um quase a jogar como se não houvesse nada trabalhado, nada de jogadas delineadas, três golos sofridos, passividade defensiva e ofensiva, tudo horrível. Se na 1ª parte Júlio César conseguiu evitar os golos, nesta nada conseguiu fazer. O cansaço e as condições justificam algo, mas não tudo.

 

Mais uma vez, Nélson Semedo mostrou em meia hora que consegue ser o lateral que mais dá ao jogo do Benfica. Não consigo entender como é que Rui Vitória coloca André Almeida a lateral, sabendo que lhe vai dar o corredor todo para atacar, visto Talisca estar a jogar mais dentro. Não entendo também porque Gaitán fez o jogo todo, acabando mesmo por se agarrar à coxa perto do fim. Os minutos que se dão aos jogadores também me fazem alguma confusão. Por exemplo, Djuricic mostrou algo quando jogou, mas não voltou a ter minutos

 

 

Sim, é o mesmo lance nas duas imagens, com um passe do guarda-redes mexicano para o seu médio, que recebe a bola e roda, e veja-se o buraco que há no meio-campo do Benfica.

 

 

Os dois médios ala do Benfica, um ao lado do outro. 

 

 

Nélson Semedo entrou e conseguiu criar desequilíbrios na equipa adversária, ou pelo menos tentou. 

 

 

Se o que se esperava era que a equipa fosse em crescendo com os jogos que ia fazendo, o que se verificou foi o oposto nesta pré-época. A humidade, o horário, o cansaço, o calor, não explicam tudo isto. Não vou mentir, estou muito desiludido com o que vi em campo nestes últimos jogos. Leio muito que nos anos anteriores também aconteceu o mesmo, e depois a equipa ganhou, mas infelizmente nem sempre a regra é essa. Há que ser também exigente e saber ver as coisas, e o que se viu em campo foi péssimo. As coisas podem perfeitamente mudar, que isto é apenas a pré-época, mas os sinais foram maus e nem o mais confiante adepto do Benfica terá gostado do que viu nestes jogos.

 

O problema nem é tanto os resultados, é a falta de ideias que se vê em campo. Não vi evolução nenhuma no jogo do Benfica desde o primeiro jogo e isso é o que me preocupa. O Benfica está há 263 minutos sem marcar um golo, e desde que Jonas fez o 2-1 frente ao PSG, em 408 minutos a partir desse momento, a equipa marcou um golo. 

 

Vejo Rui Vitória sem saber o que fazer e perdido. Por um lado deve ter as suas ideias para tentar dar aquilo que ele quer para este Benfica, mas por outro existe a história que vem de trás, e o que herdou do seu antecessor. Não consegui ainda perceber o que Rui Vitória quer para este Benfica, para além de mais posse de bola e segurança. O que muita gente pede é que o Benfica jogue em 4x4x2 e que essa táctica é que é boa, mas não é fácil colocar aquele modelo em prática, porque quer se queira ou não, Jorge Jesus conseguiu construir algo de muito bom e forte. Se o treinador do Benfica não pensa dessa maneira, tem de seguir as suas ideias. As pessoas têm de perceber que não há tácticas melhores, nem tácticas piores, o que é importante é a dinâmica dos jogadores em campo e o que eles conseguem construir e dinamizar. Não é por se ter dois avançados ou três que a equipa vai passar a marcar mais ou menos golos. O Benfica ganhou dois campeonatos seguidos a jogar em 4x4x2, mas também perdeu 3 seguidos para um 4x2x3x1. Não estou a defender nenhuma táctica, o que eu defendo é a qualidade, os bons métodos, bom colectivo, bons processos de trabalho, bom modelo de jogo, boas dinâmicas em campo, e isso sim, é o que traz sucesso.

 

Esta pré-época mostrou também que o Benfica precisa urgentemente de verdadeiros reforços, daqueles que entrem de caras na equipa titular. E com o que se viu, se calhar são precisos mais do que o que se esperava, e é obrigatório ir ao mercado. Em relação ao planeamento da pré-época, Rui Vitória não tem culpa de ter sido horrível, mas em relação a isso já falámos em outros artigos.

 

A única coisa boa, é que tenho a certeza absoluta que na Supertaça a equipa não vai conseguir fazer pior que a imagem que deixou nesta digressão e vai melhorar. Venha de lá essa Supertaça e que a equipa esteja a guardar para os jogos oficiais tudo aquilo que não mostrou nesta pré-época, e isso é o que eu, e todos nós desejamos. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:14


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D