Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um olhar sobre as palavras de Rui Vitória

por P1nheir8, em 11.07.15

 

Depois de Jonas ter sido ontem a capa do jornal “A Bola” devido à sua entrevista, hoje foi a vez de Rui Vitória conceder uma extensa entrevista ao jornal “Record” e ser também o destaque de capa.

 

Esta grande entrevista, foi mais daquilo que Rui Vitória nos tem habituado no seu discurso desde que chegou. Alguém confiante mas com os pés assentes no chão, com um discurso positivo, trabalhador e de muito realismo. Está completamente identificado com o rumo que quer trazer para o clube.

 

O novo treinador do Benfica não quis abrir muito o jogo, e também ainda não há muito a falar. Conseguiu fugir a algumas “ratoeiras” que lhe colocaram nas perguntas e foi muito inteligente nas respostas. Não vou estar a falar mais do que ele tem falado nos últimos tempos, vou apenas falar naquilo que mais interessa, o que vai ser a equipa dele, ou melhor, aquilo que ele quer para a equipa dele.

 

«Quando chegamos a um clube temos de olhar para o contexto onde estamos. Não vale a pena ter uma ideia muito estereotipada e balizada, porque depois pode ser um caminho errado. É preciso analisar o contexto, ver as nossas limitações, as nossas potencialidades e, a partir daí, ter um plano de acção. Quando era médio-centro o que menos gostava era de ver a bola a passar por cima de mim sem poder tocar nela… Tendo recursos, como eu estou a ver que tenho, a equipa vai ter de ter a preocupação em jogar bem, com grande dinâmica, muita agressividade, com enorme vontade de querer conquistar este mundo e o outro, mas olhando sempre para o jogo com uma realidade muito específica»

 

O treinador português sempre foi criticado pelo futebol que a sua equipa em Guimarães praticava, toda a gente dizia que era um futebol muito pobre, ao contrário do “seu” Paços de Ferreira. Aqui, e mais uma vez, tenta acabar com essa ideia. Com os recursos que agora tem, ele vai tentar obviamente meter a equipa a jogar um bom futebol, e como ele diz, agora tem meios para isso. No Guimarães era diferente, ele tinha poucos meios e uma exigência de conseguir a manutenção, aquele foi o futebol que ele achou adequado para conseguir os objectivos propostos, e que tão bem resultou. A ideia de jogo deve ser feita mediante os recursos que se tem e não vir já definida previamente, e é isso que ele parece trazer pensado.

 

«Se olharmos bem para um jogador como Jonas, percebemos que a forma de jogar da equipa tem de ir num determinado caminho»

 

Aqui, reconhece a importância que o melhor jogador do campeonato tem na equipa. O forte de uma equipa é sempre o colectivo, mas nem nós nem o treinador do Benfica somos ingénuos, e sabemos que o Benfica tem de saber potenciar a qualidade que Jonas tem, estando com isso mais perto da vitória e fazendo a diferença.

 

«O Pizzi já era um belíssimo jogador quando o vi pela primeira vez. (…) Não fiquei muito surpreendido com a forma como se adaptou a um novo posicionamento porque é um jogador muito inteligente, com técnica apurada. Rodeado de jogadores que o protegessem de uma ou outra limitação que pudesse ter, obviamente que acabaria por ter sucesso. Num Benfica com o lote de jogadores que tem, e atendo à qualidade que o jogador também tem e ainda à sua inteligência, não estranho assim tanto esta adaptação. Possivelmente, jogará mais por dentro do que pelas alas»

 

Pizzi é um jogador muito conhecido de Rui Vitória. A dúvida que ele nos tira aqui, é que o jogador português vai continuar a jogar mais vezes no meio do que nas alas, e a posição 8, independentemente da táctica utilizada, será aquela onde continuará a jogar. Acredito que pode por vezes avançar no terreno, caso o Benfica jogue apenas com um avançado.

 

«Com o que temos internamente estou satisfeito, temos soluções (relativamente aos substitutos de Maxi Pereira)»

 

Parece que Rui Vitória ainda tem algumas esperanças que Maxi fique, mas também deixou claro que acha que pensa haver soluções internas para o substituir. Nos treinos, tem sido Sílvio a fazer esse lugar, apesar de eu achar que Sílvio rende mais na esquerda. Caso Sílvio seja a primeira opção para o lado direito da defesa, penso que o Benfica deve procurar um lateral esquerdo para assumir a titularidade.

 

«Taarabt pode jogar numa faixa, de fora para dentro com muita capacidade de vir para zonas interiores como pode estar numa zona central, a pensar o jogo, e a progredir com alguma facilidade. Vejo-o a jogar em qualquer uma dessas posições (médio esquerdo e número 10). Gosto de jogadores versáteis e ele tem isso»

 

O esperado em relação a Taarabt. O marroquino deverá jogar no lado esquerdo do ataque quando o Benfica jogar com dois avançados, fazendo muitos movimentos interiores, e outras vezes ser o apoio mais directo ao avançado, que deverá ser Jonas, usando os seus movimentos de ruptura.

 

«Temos uma baliza de 24 a 26 (jogadores que farão parte do plantel). Eventualmente se acharmos que fará bem a um jogador continuar connosco, podemos alargar até aos 27. Não fugirá muito a isso»

 

Tiradas as dúvidas em relação ao número dos jogadores do plantel. Não deixa também de parte que qualquer jogador da equipa B alterne entre a equipa principal e a B.

 

«Ainda podemos ter de olhar para as posições dos corredores laterais à frente e, eventualmente, para a zona do ataque. Mas temos mais que observar o que temos e como podemos valorizá-los do que estar nessa procura obsessiva de jogadores. Primeiro quero ver toda a gente e depois fazer a minha escolha»

 

A nível de reforços, e à primeira vista, parece que Rui Vitória tem a ideia de trazer mais alguém para as alas do ataque e para o lugar de avançado. Claro que tudo isto depende muito das saídas, que deverão acontecer, mas acho que o Benfica precisa de contratar alguém para uma das laterais defensivas. Com isto, parece-me que as posições centrais do meio-campo estão fechadas.

 

«Seria redutor se dissesse que uso só um sistema e já houve treinadores no futebol português que pensaram assim e, se calhar, tiveram problemas. A minha equipa tem mecanismos de trabalhos para podermos trabalhar com qualquer dos sistemas. A única coisa que sei é que é preciso de olhar para o contexto. Há hábitos que estão enraizados e não se mudam de um dia para o outro. O modelo é muito mais do que o sistema, que no fundo é a disposição táctica, mas há mais coisas que uma equipa tem como suporte. O meu Benfica vai ter particularidades diferentes, mas não quero ser taxativo. Se utilizei mais vezes o 4x3x3, foi porque muitas vezes achei que era o que se adaptava, mas se analisarem um pouco o Vitória de Guimarães vão reparar que houve alternâncias tácticas significativas e momentos em que o 4x3x3 não era assim tão claro»*

 

Para acabar, cá está uma afirmação muito interessante. O futuro é este, uma equipa conseguir alternar o seu modelo durante um jogo, fazendo com que se faça aquilo que o jogo lhe pede e que com isso esteja mais perto da vitória. Não é fácil fazer com que isto resulte com eficácia total, mas caso Rui Vitória consiga, será um ponto muito bom a favor da equipa do Benfica. Nenhuma equipa no futebol moderno pode ter só uma táctica e uma forma de jogar, passando o jogo todo, mesmo que este esteja a correr mal, a fazer sempre a mesma coisa para conseguir atingir os seus objectivos e não procurar outras alternativas. Há que arranjar maneira de se dar a volta às dificuldades e criar dificuldades aos adversários. Rui Vitória, e como bem diz, já fez isso no Vitória de Guimarães. O nosso blog já escreveu um artigo sobre isto, e no fim deste artigo estará o link para os eventuais interessados.*

 

 

Foi mais do mesmo de Rui Vitória, um discurso muito agradável de ler e ouvir. Gostei de ver dissipadas algumas dúvidas em relação ao plantel e à equipa, mas sem abrir muito o jogo. Agora é passar este bom discurso para o campo, que os adeptos querem é vitórias e bom futebol. Acredito que ele pode dar isso ao nosso clube.

 

http://euvistodevermelhoebranco.blogs.sapo.pt/o-4-4-2-de-rui-vitoria-2501

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:38

Porque eu visto de vermelho e branco

por P1nheir8, em 09.07.15

 

Só era preciso não inventar e ser simples, e o brilhante resultado está à vista. Resta agora escolher qual delas comprar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Perfil - Bilal Ould-Chikh

por P1nheir8, em 07.07.15

 

Apesar de ainda nada estar confirmado pelo Sport Lisboa e Benfica, Bilal Ould-Chikh já assumiu publicamente que seguirá a sua carreira de águia ao peito. O extremo de 17 anos revelou-se muito entusiasmado com a oportunidade de jogar num clube tão grande como o Benfica.

 

Depois de já ter visto alguns minutos dele pela equipa principal do Twente, foi altura de o ver a representar a sua selecção. Apesar dos seus 17 anos, foi titular na selecção da Holanda que disputa a fase final do Europeu de Sub-19. Era unânime que seria um dos melhores jogadores da equipa e que provavelmente muito ia dar nas vistas.

 

Bilal começou o jogo encostado à direita, mas não se ficou sempre por aí. Alternou sempre entre o lado esquerdo do ataque e a direita. Se na direita abria sempre na linha para pedir a bola, na esquerda teve quase sempre a tendência de vir para o meio e procurar outros espaços. O mesmo acontecia a defender, quando estava na esquerda vinha sempre mais para o meio, mas isso pareceu mais estratégia do treinador. No processo defensivo, poucas vezes passou para trás do seu meio-campo. Isto é habitual para alguém de 17 anos que faz a diferença com bola e a viver num futebol tão atacante como é o que se pratica na Holanda.

 

As comparações com Robben na sua forma de jogar, são bastante bem conseguidas, pese as enormes diferenças de qualidade. Com o seu magnífico pé esquerdo, é na direita que mais rende, onde se sente mais confortável a sair do drible partindo para o meio ou para a linha, e onde as coisas saem com mais naturalidade. Tem uma agilidade, mobilidade e aceleração muito boas, o que lhe permite ganhar muitos duelos de um para um. Alia uma finta curta muito boa, a uma capacidade magnífica de levar a bola bem colada ao seu pé esquerdo, progredindo em velocidade pelo campo. Através do seu grande poder de aceleração consegue tocar a bola e ir buscar à frente, deixando os adversários em enormes dificuldades. Foi através destes seus dribles que conseguiu ganhar uma falta aos 42 minutos, depois de tirar dois adversários do caminho. Ele próprio executou muito bem o livre, assistindo de maneira perfeita o seu companheiro de equipa para fazer o único golo da partida.

 

Com os seus 17 anos, está a defrontar jogadores mais velhos que ele neste Europeu, e não teve qualquer receio de assumir o jogo com a sua técnica refinada, e o seu forte um para um. Tem de melhorar muito a forma de defender, pois ainda é muito rudimentar nesse aspecto, precisando de ganhar a preocupação de recuperar a bola depois de a perder e ajudar no trabalho defensivo. Como é natural em alguém com esta capacidade de drible e técnica, usa e abusa das iniciativas individuais, tendo de perceber quando deve soltar a bola e assim melhorar a eficácia do seu jogo.

 

Saiu aos 60 minutos de jogo, estava já bem cansado, mas foi até esse momento o melhor jogador em campo.

 

É um jogador com um potencial tremendo para explorar, que precisa ainda de crescer muito, mas que é um jogador especial. Não irá ser já titular no Benfica, caso efectivamente venha, mas será um jogador para ir crescendo na sombra e um dia assumir um papel importante na equipa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40

 

Decorreu no dia de ontem em Oliveira de Azeméis a 4.ª Gala Nacional do futsal. Como seria de esperar, e depois da brilhante época do Sport Lisboa e Benfica no futsal masculino, a equipa arrecadou 3 dos 5 prémios individuais que estavam em disputa.

 

O vencedor do prémio de melhor guarda-redes do campeonato, foi naturalmente o titular do Benfica, o internacional espanhol Juanjo. Prémio mais que justo, para um dos jogadores que mais diferença fez durante a época. Ter um grande guarda-redes é meio caminho andado para o sucesso, e Juanjo foi uma autêntica parede na baliza do Benfica, aparecendo sempre a fazer a diferença a favor da nossa equipa. É muito provavelmente o melhor guarda-redes que algum dia jogou em Portugal.

 

O melhor jogador do campeonato foi Chaguinha, jogador que fez a primeira época ao serviço do Benfica. Prémio também justo para este pequeno grande craque, que deslumbrou os amantes do futsal por esses pavilhões fora. Muito forte a defender e a atacar, uma capacidade de drible fortíssima, e uma inteligência muito acima da média. Um jogador à Benfica, que deixa tudo em campo e de quem os adeptos muito gostam.

 

Depois de ganhar o Campeonato Nacional e a Taça de Portugal, o melhor treinador só podia ser Joel Rocha, treinador do Benfica. Chegou este ano ao clube, vindo do Fundão, e revolucionou completamente esta equipa que andava em baixo nos últimos tempos. Foi um prazer ver jogar esta equipa, sem muitos nomes de renome conseguiu construir um colectivo quase imbatível, só perdendo um jogo durante a época, jogo esse na final do campeonato. É um treinador muito exigente, com um discurso que dá prazer escutar e que sabe muito da modalidade. Conseguiu extrair o melhor de cada jogador, colocando alguns jogadores a jogar como nunca, e mais que tudo, a trabalharem para um colectivo. Vejo nele um exemplo para todos os treinadores das diversas modalidades do Benfica, um treinador à Benfica. É, assim como Chaguinha e Juanjo, alvo de constantes elogios de todos os adeptos do Benfica, e muito justamente, diga-se.

 

Os outros dois prémios foram para Nandinho do Boavista que venceu o prémio de melhor marcador, enquanto que Tiago Brito do Braga foi eleito o jogador revelação do campeonato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22

Vencedores de vermelho e branco

por P1nheir8, em 05.07.15

 

A Gala do sorteio da Liga foi também marcada pela atribuição dos prémios individuais da anterior edição. 

 

Gonçalo Guedes, um dos maiores talentos da formação do Benfica, venceu o prémio de jogador revelação da 2ª Liga, depois de uma grande 1ª volta que fez na época passada.

 

O melhor guarda-redes, foi aquele que vinha para cá passar férias, e mesmo a passar férias conseguiu ser o melhor. Imaginemos então se viesse para jogar a sério.

 

O melhor jogador foi aquele que também vinha cá para se arrastar até ao fim da carreira, e que bem que Jonas se arrastou por esse campeonato. Pena é, que Jonas só tenha subido uma vez ao palco, e não duas como devia ter acontecido. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

O caminho para o Tri

por P1nheir8, em 05.07.15

 

Realizou-se ontem o sorteio da Liga NOS 2015/16. E por escrever sorteio, já estou a ser muito simpático, visto isto ser cada vez menos um sorteio. Demasiadas condicionantes, se algumas ainda se percebem como as que são relativas às equipas da ilha da Madeira, as que são para Benfica, Porto e Sporting são patéticas. Não há muito a fazer, quem acha que isto deve ser assim, continua a achar e não será mudado. Em Portugal há sempre a ideia de se querer ser diferente dos outros, mas na quase totalidade das vezes é para pior.

 

Olhando para aquilo que foi sorteado para o Benfica, parece um sorteio bem agradável. Para começar, temos 4 jogos de dificuldade relativamente baixa, sendo 3 deles em casa, contra Estoril na 1ª jornada, Moreirense e Belenenses na 3ª e 4ª e a deslocação a Arouca na 2ª jornada. Isto antecede a viagem ao Dragão na 5ª jornada. Exigem-se 12 pontos nestes 4 primeiros jogos, e menos que isso será mau.

 

Depois da deslocação ao Dragão, recebemos o Paços de Ferreira, de seguida uma viagem à Madeira para defrontar o União e na 8ª jornada recebemos o Sporting em casa. Serão 4 jornadas completamente diferentes das primeiras, com um nível de dificuldade bem mais alto, mas que espero um Benfica forte.

 

O Benfica irá a Braga na 11ª jornada, depois de ir a Tondela e receber o Boavista. Esta viagem a Braga tem sido uma das mais difíceis dos últimos anos. Depois disso teremos 3 jogos de dificuldade mais baixa, com a recepção à Académica, deslocação a Setúbal, seguido do Rio Ave em casa, antes do diabólico fim de 1ª volta.

 

O mês de Janeiro será um mês bem difícil. Esta época teremos 3 jogos no espaço de uma semana para o campeonato. A jornada 15 contra o Guimarães fora de casa, a 16 contra o Maritimo em casa e a 17 na Madeira contra o Nacional, irão disputar-se no espaço de uma semana. Será, com datas provisórias de dia de jogo, entre 2 e 10 de Janeiro. Para além da dificuldade que é fazer 3 jogos em 8 dias, dois deles serão deslocações bem difíceis. Estas jornadas marcarão o fim da 1ª volta.

 

Nesta 1ª volta, o Benfica irá deslocar-se a casa do 2º, 4º, 5º e 7º classificados da temporada passada. A 1ª volta parece na teoria bem mais difícil que a 2ª, com mais deslocações de nível de dificuldade alto, o que até acho que pode ser positivo, para depois na 2ª volta receber essas mesmas equipas em casa.

 

Na 2ª volta antes de recebermos o Porto, teremos duas saídas fora de casa, a Moreira de Cónegos e a Belém.

 

O fim de campeonato será difícil, assim como é o fim da 1ª volta. Viagem a Vila do Conde, depois Vitória de Guimarães em casa, viagem à Madeira para defrontar o Marítimo e terminar o campeonato em casa com o Nacional, jogo esse que todos esperamos que seja de consagração.

 

Como já disse, pareceu-me um sorteio bem simpático, principalmente aquelas 4 jornadas iniciais com jogos de nível de dificuldade baixa, numa altura em que a equipa ainda não terá assimilado totalmente as ideias de Rui Vitória e os reforços ainda não estejam completamente entrosados com a equipa e o clube.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

O bicampeão voltou ao trabalho

por P1nheir8, em 02.07.15

 

Arrancou hoje oficialmente a época do Sport Lisboa e Benfica. Segundo a BTV, apresentaram-se 23 jogadores no Seixal no dia de hoje. Nico Gaitán teve um problema no voo, mas irá chegar ainda hoje. Mais tarde, 13 jogadores irão apresentar-se, devido a terem estado ao serviço das suas selecções e assim iniciar mais tarde os trabalhos. A lista dos 24 – vamos incluir o Nico Gaitán - é a seguinte:

 

Guarda-redes: Júlio César, Paulo Lopes e Éderson;

Defesas: Luisão, Lisandro Lopez, Sílvio, Jardel, André Almeida, César, Nélson Semedo, Marçal;

Médios: Cristante, Talisca, João Teixeira, Guzzo, Salvio, Carcela, Nico Gaitán e Taarabt;

Avançados: Derley, Nélson Oliveira, Lima, Jonas e Rui Fonte.

 

O nome dos 13 jogadores que se apresentarão mais tarde, são: Eliseu, Pizzi, Ola John, Jonathan Rodríguez, Murillo, Samaris, Mukhtar, Rúben Amorim, Fejsa, Victor Lindelöf , Nuno Santos, Flip Djuričić e Gonçalo Guedes.

 

Olhando para estes nomes todos, o que salta à vista é que são ainda demasiados jogadores, que provavelmente terá de ser diminuído para perto de metade, visto o plantel ir ser, supostamente, de 20 jogadores mais 5 oriundos da formação.

 

Dos jogadores que não se apresentaram, nem foram referidos como se irem apresentar mais tarde, dá para perceber que faltam os nomes de três jogadores que foram contratados, Diego Lopes, Pelé e Francisco Vera. Isto deve querer dizer que estes jogadores não vão fazer a pré-época com o Benfica.

 

Depois também é de estranhar que dos jogadores que irão chegar mais tarde, Rúben Amorim e Ola John não estiveram ao serviço das suas selecções, e essa foi a justificação que se deu para o grupo de 13 jogadores chegar mais tarde.

 

Também dá para perceber muitos nomes que o Benfica tem com contrato e que não vão contar para esta época. Jogadores como Tiago, Candeias, Sidnei, Djaló, Fariña, Kevin Friesenbichler, Ivan Cavaleiro, Fábio Cardoso, Hélder Costa, Rochinha e Bruno Varela, deverão mesmo rumar para outras paragens, visto nenhum deles se ter apresentado na equipa principal, nem na lista dos que se apresentarão mais tarde, nem na lista da equipa B. 

 

Como já referimos, muitos destes 37 jogadores terão de sair do Benfica, já que o plantel vai ser reduzido e ainda irá haver algumas contratações. Marçal ou Eliseu, um deles deverá sair, visto não acreditarmos que qualquer um deles dê garantias para a época toda. Derley, Rui Fonte, Nélson Oliveira e Murillo, dificilmente ficarão no plantel. Depois no meio-campo muitos jogadores deverão sair, visto haver muitos nomes para poucos lugares.

 

Os jogadores da formaçao que vão lutar por um lugar na equipa principal são Nélson Semedo, Victor Lindelöf, João Teixeira, Guzzo, Gonçalo Guedes e Nuno Santos.

 

 

* Este artigo foi escrito com base naquilo que foi trasmitido oficialmente na BTV, não tendo o nosso blog resposabilidades caso algumas informações não estejam certas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Pág. 2/2



Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D