Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Estrutura para totós

por Zlatan, em 02.09.15

  1. Modo como as diferentes partes de um todo estão dispostas.
  2. Construção e disposição (de um edifício).
  3. Disposição (no seu conjunto) das partes do corpo humano.
  4. O que permite que uma construção se sustente e se mantenha sólida.
  5. O que serve de sustento ou de apoio.
  6. Objecto que se construiu (ex.: o edifício é uma estrutura sólida).
  7. Força física ou psicológica (ex.: ela não tem estrutura para aguentar tanta responsabilidade).

 

A palavra já não é vulgar para ninguém. Está na moda. Esteve durante muitos anos associada a outro clube, mas parece ser tendência no Benfica.

 

Esta época o Benfica decidiu colocar em prática aquilo que o presidente tem proclamado há vários anos - o desinvestimento equilibrado no futebol e a integração de jovens da formação no plantel principal. Os muitos milhões realizados em transferências ao longo dos anos certamente que contribuíram para a consolidação das finanças do clube, promovendo uma abordagem cada vez mais sustentável, e os jovens da formação já não serão vendidos prematuramente, envoltos em supostos empréstimos e cláusulas duvidosas, mas sim incluídos no plantel principal.

 

Polémicas à parte, a direcção do Benfica entendeu que podia abdicar do anterior treinador. De repente surgiu a necessidade de provar que não existia uma dependência de alguém que até parecia ganhar maior dimensão do que o próprio clube, algo que nunca pareceu incomodar o Benfica. Alguém a quem se permitiu e ofereceu tudo. De repente, o Benfica decidiu provar que venceu com Jesus e não devido a Jesus.

 

Sem surpresa, Rui Vitória foi o treinador escolhido. Antigo treinador da equipa de juniores do Benfica, conhecido por “apostar” na formação em Guimarães, Benfiquista e amigo de Vieira. É uma escolha exclusiva do presidente do Benfica, que se sente no direito de se isolar nesta decisão, já que acertou em 2009 com Jesus.

 

Anestesiando os adeptos através de reportagens de autopromoção, a estrutura foi vendendo a ideia de uma enorme máquina de competência, criando um modelo que permite a um treinador ser vitorioso. Hoje vemos claramente que não é assim.

 

A saída de Jesus permite, para já, tirar várias conclusões acerca da forma como o Benfica prepara as suas épocas. Continua a não existir uma linha de orientação relativamente à forma como o clube se movimenta na pré-época.

 

O pack de contratações que se apresenta no Seixal, qual casting do Ídolos, voltou a chegar, o que me leva a concluir que o suposto desinvestimento é uma farsa. O Benfica não decidiu gastar menos, nem contratar melhor. Todos os anos continuam a chegar jogadores que não vestem, sequer, a camisola do clube. Todos os anos se realizam contratações que me fazem comissão na orelha. Obviamente que estes negócios são decisivos para as contas do clube. Continuar a ignorá-los não é solução.

 

Vieira garantia em Junho que Rui Vitória teria as mesmas condições que Jesus. Hoje também vemos que isso está longe de ser verdade. A direcção encostou-se ao facto de manter, praticamente, o plantel campeão, esquecendo-se que este já era curto com Jesus e que precisava de reforços cirúrgicos, mas significativos. O Benfica vende Enzo em Janeiro, mas rapidamente se percebe que Pizzi não seria solução. Nem com a prolongada lesão de Salvio e a venda de Sulejmani, o Benfica decide trazer um extremo de qualidade inegável. Mais. O Benfica termina o mercado de transferências atrás de Siqueira, o mesmo lateral sobre o qual não foi exercida a opção de compra em 2014. Depois de considerar várias alternativas e de analisar o mercado com a devida calma, o Benfica não faz mais nenhuma contratação. Dos muitos jogadores que chegaram, poucos ficaram no plantel e ainda menos terão funções relevantes na equipa. Chegamos ao último dia e percebemos que os problemas que tínhamos em Maio são os mesmos de hoje.

 

É compreensível a alteração da política e que Rui Vitória não sinta que tem “autoridade” para exigir reforços, mas assiste-se actualmente a uma quebra gritante da qualidade global do plantel. Um exemplo esclarecedor: em 2014 o Benfica tinha Gaitán, Salvio, Markovic e Sulejmani para as alas. Hoje tem Gaitán, Victor Andrade, Gonçalo Guedes e Carcela. Naturalmente que não se impõem investimentos desmedidos, nem que um jovem da formação seja forçado a render no imediato, mas tem de existir um meio-termo. Esta loucura de 8 ou 800 é injustificável, sobretudo num clube que é bicampeão.

 

Questiono-me se os dirigentes do Benfica estiveram demasiado distraídos este Verão. Se com as batalhas pessoais que João Gabriel decide travar nas redes sociais, não tendo pudor de utilizar o nome do clube para se socorrer, se com os espectáculos a que o funcionário Pedro Guerra (Fernando Santos para os mais distraídos) se dispõe no canal do clube, onde agora defende ferozmente a aposta na formação, contrastando com a sua prévia opinião de que “o Benfica não é o Sporting”, ou se estariam maravilhados com as entrevistas de Domingos Soares de Oliveira, que no último mês ainda não tinha garantido a existência de um milagre financeiro, apesar de todos os anos existir uma insólita necessidade de vender jogadores. Certo é que passaram três meses e a estrutura não conseguiu resolver nenhuma das principais lacunas do plantel. É de lamentar que as reportagens do Nuno Luz não tenham conseguido captar estes momentos.

 

Percebe-se, portanto, que, mesmo sem Jesus, nada mudou. O Benfica continua a ser gerido ao sabor do vento, com base em crenças, instintos e impulsos. Não existe nada que caracterize a liderança e o projecto que a estrutura tanto se tem esforçado em vender aos adeptos. Não há nada que identifique o clube. Continuamos na mesma política de fogo-bombeiro: é preciso deixar que tudo corra mal, para se chegar à conclusão que é preciso fazer alguma coisa. Depois de acontecer, decide-se agir. Foi preciso o Benfica ser humilhado na Emirates Cup de 2014 para que jogadores como Júlio César, Samaris e Jonas finalmente fossem contratados, por exemplo. A habitual incompetência e negligência do Benfica nas pré-temporadas foi castigada com a perda de um título oficial, num jogo em que uma equipa se preparou para vencer e a outra andou perdida nas Américas à procura e à espera de qualquer coisa.

 

Desta forma, é possível concluir que, no final, quem faz a diferença é o treinador. Chegamos a esta altura e percebemos que o que realmente definiu o Benfica durante os últimos anos foi a influência do treinador. A estrutura do Benfica foi Jesus, que mesmo com os seus defeitos e alguma incompetência, conseguiu esconder e camuflar muito do desnorte presidencial. Por este motivo, a estrutura foi uma das culpadas de tornar o clube refém do anterior treinador, já que a exclusiva competência da direcção há muito que é conhecida. Criou-se, assim, o mito de que só Jesus é que poderia fazer a diferença, quando existem outros treinadores competentes que podem fazer o mesmo. Porém, esta direcção parece empenhada em tornar isso impossível. O problema não foi Jesus sair, mas sim quem ficou e entrou.

 

Esta época tem "Vieira" escrito na testa. Para o bem e para o mal, em Maio, saberemos todos muito bem para onde olhar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45


9 comentários

De Pesaresi a 02.09.2015 às 21:03

Revejo pensamentos meus em muitas linhas deste post.
Sou um admirador confesso de Jorge Jesus - agora não tanto, claro - pelo salto enorme que o Benfica deu desde que chegou à Luz. Antes o Benfica era um pouco daquilo que é hoje - uma equipa com jogadores fracos, e com jogadores bons, que não "rendiam o dobro". Dá pena ter Jonas ou Gaitan nesta equipa - porque são jogadores para muito mais numa equipa bem orientada.

Sempre achei que Jorge Jesus disfarçava muita coisa - mesmo com os seus contras - e esta época até agora está a confirmar isso mesmo. E pior que ter ficado sem Jorge Jesus, só ir buscar Rui Vitória. Não questiono a pessoa, o seu profissonalismo, mas acho que não serve para o Benfica.

Podia-me alongar neste comentário e fazer um autêntico post, mas fico-me por aqui.

Estou curioso para saber qual o investimento que vai ser feito no próximo Verão (jogadores e... treinador) visto que vamos estar em "vespera" de eleições...

De Zlatan a 02.09.2015 às 21:29

Olá Pesaresi. Desde já, obrigado pelo seu comentário.

Era difícil não gostar de Jesus depois do seu primeiro ano no Benfica. Chegámos ao nível que ele tinha prometido e voltámos a ser relevantes. No entanto, confesso que tantos anos depois fiquei desgastado com Jorge Jesus e fui da opinião que deveria ter saído em 2012. Já para não falar no episódio da renovação em 2010, mas enfim.

A verdade é que depois Jesus voltou a vencer e, no meu entender, quando assim é, tínhamos de dar primazia à sua continuidade. O que me preocupava (e preocupa) não é a sua saída, como disse no post, porque há treinadores competentes que, tendo boas condições, podem ser bem-sucedidos. O que realmente me preocupa é a acomodação que pode residir no Benfica e, sobretudo, quem entrou para o lugar do antigo treinador.

Veremos com irá correr.

Cumprimentos.

De Anónimo a 02.09.2015 às 21:40

"há treinadores competentes que, tendo boas condições, podem ser bem-sucedidos"

Tirando JJ, o Vieira nunca encontrou nenhum. Erro histórico.

De Carlos Janela a 02.09.2015 às 23:51

O José Peseira ainda se encontra livre...

De *Peseiro a 02.09.2015 às 23:51

Enganei-me.

De Manuela a 03.09.2015 às 12:47

E novidades?!
A época 2013-2014, a tal em que se ganhou tudo menos a final da Liga Europa, também tinha VIEIRA escrito em todo o lado. Contra tudo e contra todos, foi Vieira quem segurou o teu adorado e idolatrado treinador, o tal que tinha falhado em toda a linha e nos tinha brindado com os momentos mais deprimentes de uma década: morrer na praia, não uma, não duas, mas três vezes.
Se calhar até é bom que assim seja. Um líder assume-se tomando decisões, acerta sempre? Não, nem o Vieira e nem o Jesus.
Continuem a endeusar um tipo que treinava equipas de meio da tabela e apregoava a quem o queria ouvir que para se ganhar ao Benfica, tinha de ser na Playstation , ou se calhar nem assim (e assim contribuir avant la lettre para a teoria do "colinho") e que não perde oportunidade para provocar o Benfica, agora que se passou a troco de 6 milhões de euros para o clube do seu coração.
Eu continuo a bendizer o Tacuara Cardozo pelo safanão que lhe deu na final da taça que o teu adorado e idolatrado treinador perdeu para o meu treinador: Rui Vitória.
Manuela

De Zlatan a 03.09.2015 às 19:09

Obrigado pelo seu comentário.

Temia que as minhas palavras fossem (propositadamente?) mal interpretadas, apesar de achar que o artigo é muito explícito. Creio que ficou com a impressão de que endeuso Jorge Jesus ou que tenho, sequer, algum apreço por ele. Não sei como é que terá chegado a essa conclusão, que não é, já agora, de todo verdade. Aconselho uma leitura mais atenta, nesse caso. Se depois de ler o texto ficou com a ideia de que era sobre Jesus, então lamento, mas não é.

Se, por outro lado, tiver interesse em discutir o verdadeiro tema do artigo e desenvolver algumas das suas ideias, terei todo o prazer.

Obrigado e cumprimentos.

De Benfiquista Orgulhoso a 03.09.2015 às 22:00

Ficou claro que o texto não é sobre JJ. É um panfleto ridículo e mentiroso anti Vieira, o único e preferido alvo de alguns bem identificados benfiquistas como se costuma ver em alguns blogues dragartos. Fiquei mesmo admirado por não tocarem no assunto da droga. Nada de novo, portanto.

De Benfiquista Orgulhoso a 03.09.2015 às 21:54

"Anestesiando os adeptos através de reportagens de autopromoção, a estrutura foi vendendo a ideia de uma enorme máquina de competência, criando um modelo que permite a um treinador ser vitorioso. Hoje vemos claramente que não é assim".

Comentário mentiroso. A "estrutura" é tão competente que o Benfica teve mais de 20 troféus algo inédito na longa história do clube deixando os adversários humilhados. Terá sido JJ o autor dessas vitórias?

Ao futebol profissional temos de dar mais tempo para os novos treinadores implementarem as suas idéias. Criticar antes de tempo neste momento mostra má fé.

"O Benfica não decidiu gastar menos, nem contratar melhor". "Hoje também vemos que isso está longe de ser verdade".
Mentira. RV tem um plantel melhor do que no ano precedente. O Benfica gastou menos de metade do que costuma e contratou melhor. E não foi por motivos financeiros como afirmou DSO.
Ederson, Mitroglou e Jimenez são melhores do que os que substituíram. Fejsa não estava cá no ano passado, estava lesionado é outra "contratação". Falta apenas o Salvio. Gaitan continua. Os defesas laterais são todos da seleção portuguesa.

"O Benfica continua a ser gerido ao sabor do vento, com base em crenças, instintos e impulsos".
É exactamente o contrário dito por alguém que percebe da poda. O autor do texto mostra uma ignorância que roça o ridículo! Como seria possível tantas vitórias se o clube tivesse sido gerido ao sabor do vento?

"A estrutura do Benfica foi Jesus". Afirmação própria de alguém que não sabe o que diz e dispara em todas as direções quando o gajo nem decidia as contratações, para o bem e para mal, apenas decidiu no 1º ano. O tempo irá mostrar que está errado. E depois o que escreve? Foge e esconde-se?

Escolher o nome "Zlatan" para escrever um texto cheio de falsidades é uma ofensa ao verdadeiro Zlatan, uma pessoa muito inteligente, equilibrada e bem intencionada. Devia ter vergonha!
Assim como devia ter vergonha escrever um texto que ficava bem num blogue dragarto. Nem eles conseguem dizer tanto disparate nem mentir tanto!

Esta época irá ter tanto "Vieira" como tudo o resto.
As mais de 25 vitórias nas modalidades e no futebol têm TODAS escritas a palavra Vieira! Será aí que aperta o sapato? A inveja é uma coisa muito feia!

Em Maio sei para onde olhar mas não será para aqui, não irei ver algum texto a retratar-se!

Comentar post








Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D