Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Análise ao Benfica vs Atlético Madrid

por P1nheir8, em 09.12.15

 

Depois da vitória frente à Académica, o Benfica recebeu em casa o Atlético Madrid, naquele que era o último jogo do grupo C da Liga dos Campeões. Com o apuramento já garantido para ambas as equipas, o que estava em jogo era o primeiro lugar do grupo. Um empate ou vitória servia ao Benfica. Para este jogo, uma alteração na equipa que defrontou a Académica. Entrou Gonçalo Guedes e saiu Mitroglou. Gaitán juntou-se a Jonas na frente e Guedes ficou na ala esquerda. Júlio César, André Almeida, Lisandro, Jardel, Eliseu, Fejsa, Renato Sanches, Pizzi, Gonçalo Guedes, Gaitán e Jonas. Foi este o 11 inicial.

 

Os primeiros 10 minutos foram algo divididos. O Atlético pressionava algo alto, mas o Benfica conseguia trocar a bola entre os seus defesas e médios, sempre sem conseguir avançar muito com ela. Não havia perigo em nenhuma das balizas. Íamos conseguindo pressionar alto depois de perder a bola na frente, mas ao recuperar não se sabia o que fazer com a bola. Trocava-se muito, mas nada daí resultava.

 

Aos 18 minutos, golo bem anulado ao Atlético, já que Godín estava em fora de jogo. Poucos minutos depois, Júlio César evita por duas vezes o golo do Atlético, com boas intervenções. Depois é Lisandro com um grande corte a evitar o golo. A equipa espanhola estava agora por cima do jogo.

 

Num contra-ataque, o Benfica sai rápido e com algum perigo, mas Savić acaba por desarmar Pizzi. Pouco tempo depois, a equipa espanhola adianta-se no marcador por Saúl Ñíguez, depois de uma jogada bem conseguida. Através de um remate de fora da área, Guedes leva algum perigo à baliza de Oblak aos 38 minutos, mas a bola acaba por sair ao lado.

 

O Atlético dominava agora completamente o jogo e geria-o ao ritmo que mais lhe convinha. O Benfica apesar de estar a perder, estava mais recuado no terreno e a pressionar muito pouco. E foi com o Atlético a vencer por 0-1 que os primeiros 45 minutos acabaram.

 

 

A equipa de Rui Vitória não entrou mal no jogo. Tivemos ali bola e existia a preocupação de a recuperar alto no terreno quando ela era perdida em zonas adiantadas do campo. Não durou foi muito, já que a partir dos 20 minutos as linhas se baixaram. Escusado será dizer que com tanta posse de bola não criámos nada, mas isso não é de hoje. Está bem que era contra o Atlético Madrid, mas o Benfica não criou nenhum lance de grande perigo na primeira parte em posse. Depois com a pressão a ser feita pior, eles jogavam muito facilmente entre as nossas linhas e trocavam a bola como queriam e à velocidade que queriam.

 

Júlio César esteve bem como normalmente. Os laterais pouco atacaram e defensivamente passaram algumas dificuldades. Lisandro e Jardel estiveram bem, com destaque para Lisandro. Fejsa e Renato cumpriram o que lhes foi pedido. Nenhum deles se aventurou no ataque, mas isso penso que é o que está delineado por Rui Vitória.

 

Pizzi continuou com os seus movimentos que trazem algo à equipa, mas raramente foram servidos, tendo pouca bola no meio-campo ofensivo. Guedes tem estado a cair de produção e este foi mais um jogo onde isso se notou. Jonas procurou muito os espaços para receber, mas raramente foi solicitado e, quando o foi, depois não havia soluções. Gaitán foi tentando remar contra a maré mas esteve muito individualista e pouco ou nada de bom fez no ataque.

 

 

 

 

 

 

Um bom movimento da equipa com a bola a ser circulada rapidamente e a existirem movimentações.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rui Vitória mexeu na equipa ao intervalo. Saiu Gonçalo Guedes  e entrou Mitroglou, indo Gaitán para a esquerda. Logo de entrada, o avançado grego tem uma boa oportunidade, mas a bola acaba por sair ao lado. Estes primeiros minutos não foram muito diferentes dos finais da primeira parte. O Atlético geria o jogo como queria, conseguindo trocar a bola sem grande pressão no meio-campo do Benfica. Quando não tinha a bola deixava jogar o Benfica, mas só até ao meio-campo, e depois não passávamos daí.

 

Aos 55 minutos, aparece o 0-2 no jogo. Boa jogada do Atlético e Vietto aparece a finalizar. Rui Vitória mexe pela segunda vez na equipa aos 61 minutos. Sai Jonas e entra Raúl. Com o golo, o Atlético baixou as linhas e deixou jogar mais o Benfica, mas não deixando a bola entrar em zonas perigosas. Era uma posse de bola consentida e em zonas mais recuadas do terreno.

 

Raúl remata de longe aos 63 minutos, mas Oblak segura a bola com facilidade. O Benfica não conseguia criar nada de nada. Ia-se trocando a bola quando a tínhamos, mas sem progredir com ela. O Atlético sempre que tinha posse conseguia avançar com ela no terreno, mesmo sem acelerar muito.

 

Quando pouco o fazia prever, o Benfica faz o 1-2 aos 75 minutos. Passe de Raúl para Mitroglou e o avançado grego a rodar bem sobre Godín e a fazer o golo. Logo a seguir, a terceira substituição no Benfica. Sai Gaitán e entra Carcela. Com o golo, a equipa empolgou-se. Renato Sanches remata de longe aos 78 minutos, mas a bola sai por cima.

 

O Atlético passava agora por dificuldades. O Benfica estava claramente por cima no jogo e conseguia encostar a equipa espanhola no último terço do terreno, recuperando logo a bola depois de a perder. Quase empatamos o jogo aos 85 minutos, mas o cabeceamento de Raúl sai um pouco ao lado.

 

Eliseu aos 87 minutos remata de longe, mas Oblak segura bem a bola. Pouco ou nada de mais importante aconteceu até ao final do jogo, acabando por ser 1-2 o resultado final.

 

 

Até ao golo do Benfica, esta segunda parte foi como aqueles 25 minutos finais da primeira. Como equipa, fomos muito fracos e não se conseguiu criar nada, sendo o domínio da posse de bola consentido pelo adversário que depois quando a recuperava a conseguia trocar e avançar no terreno sem grandes problemas. Com o golo de Mitroglou, a equipa ganhou uma nova alma.

 

A defesa continuou a ser o que tinha sido na primeira. Laterais a participarem pouco no jogo ofensivo. Os centrais estiveram bem, com destaque para Lisandro, que foi um dos melhores em campo. Fejsa continuou a sua tarefa de destruição no meio-campo, mas depois não consegue ajudar na construção quando temos bola. Renato esteve muito amarrado e recuado, mas por volta dos 60 minutos soltou-se.

 

Pizzi não apareceu tanto na segunda parte e ainda teve menos bola. Gaitán também pouco ou nada fez. Jonas continuou a procurar os espaços para receber mas quase nunca teve bola. Mitroglou veio dar outras coisas ao jogo do Benfica. Sozinho segura os dois centrais e depois dá muitos apoios. O golo foi muito bem trabalhado por ele. Raúl também não entrou mal e foi importante naquele forcing final. Carcela veio dar mais largura e irreverência ao ataque.

 

 

Bem trabalhado, mas Mitroglou atira ao lado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fácil a trocarem a bola entre as nossas linhas.

 

 

 

 

O golo de Mitroglou. Bom passe de Raúl e o avançado grego a rodar muito bem e a bater Oblak.

 

 

Grande remate de Renato Sanches que sai um pouco por cima da baliza.

 

 

 

 

Muito perto o Benfica de empatar, mas o cabeceamento de Raúl sai um pouco ao lado.

 

 

A equipa do Benfica não defrontou um adversário qualquer neste jogo, já que o Atlético tem uma grande equipa e são muitos fortes. No entanto, a exibição não me agradou muito. Já li por aí que dominámos o jogo porque tivemos mais bola e etc, mas quem dominou o jogo foi o Atlético, mesmo tendo menos bola e fazendo menos passes. Tirando os últimos 15 minutos, deram a bola ao Benfica quando quiserem, encostaram o Benfica quando achavam que deviam, o jogo foi jogado à velocidade que eles queriam, ou seja, iam gerindo os momentos do jogo como mais lhes convinha ou estava delineado. Esse é um dos problemas do Benfica. Não sabemos gerir os momentos do jogo.

 

Mais uma vez, tivemos muita posse de bola, mas a equipa não conseguiu criar nada com ela. Alguns jogadores ainda aparecem a dar linhas de passes, mas invariavelmente elas não são servidas. E isso não é de agora. Os jogos são os reflexos dos treinos e se a equipa não coloca aí as bolas, por alguma razão é. Não há estimulo nem confiança para tal. A pressão, tirando aqueles 15 minutos iniciais, foi fraca. O Atlético tem qualidade mas a facilidade como eles trocavam a bola no nosso meio-campo era inacreditável. 

 

Os médios estiveram muito amarrados. Continuamos a atacar com poucos. Foram inúmeras as vezes que dois ou três jogadores nossos apareceram rodeados por 6, 7, 8 ou mesmo 9 adversários. Continuamos a reagir mal à perda da bola. Não percebo porque se pressiona alto durante 15 minutos e depois se baixam logo as linhas. Para este jogo, a estratégia foi a mesma de Braga, mas este adversário era bem mais forte. Entrar bem, a pressionar e a aguardar por um golo. Como ele não apareceu, a equipa deixa de ter soluções para criar algo, aguardando sempre que alguém resolva individualmente.

 

Aqueles 15 minutos finais foram bastante intensos, mas aconteceram mais devido a jogar-se com o coração de com a cabeça. É a magia do futebol. O Benfica empolgou-se com o golo e foi para cima do Atlético, mas mesmo assim denotou-se a falta de ideias da equipa que depositou a esperança do golo do empate nos movimentos de trás para a frente de um miúdo que tem, com este, 3 jogos na equipa principal. O único lance de perigo foi originado por um cruzamento da esquerda de Carcela, surgindo Raúl a cabecear ligeiramente ao lado.

 

O objectivo foi cumprido, passar de grupo, e Rui Vitória está claramente de parabéns. Fica é um sabor um pouco amargo por não ter sido conseguido o primeiro lugar, que esteve ali mesmo à mão de semear. Não se pode é tentar mascarar a má época até ao momento com este apuramento, independentemente do que aconteceu em anos anteriores. Já são demasiadas derrotas e a equipa continua sem evoluir praticamente nada desde que a época começou e isso não é apenas uma questão de falta de qualidade no plantel. Já se coloca em causa a qualidade dos melhores jogadores e já se começa a dizer que nenhum presta, não se percebendo que o problema é o colectivo e a falta de muitas coisas da equipa em campo.

 

Vamos ver o que nos reservam os próximos jogos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04


10 comentários

De bcool973 a 10.12.2015 às 00:33

Boas Pinheiro,

Concordo globalmente com a tua análise à qual queria juntar umas pequenas notas:

-Fala-se muito de empolgação e que o Benfica esteve por cima e que encostou o Atlético de Madrid às cordas, mas afinal, a seguir ao golo, quantas oportunidades criámos, quantas jogadas de perigo? Que eu me lembre, apenas o cruzamento do Carcela para o fraco gesto técnico do Jimenez.

-Aliás, em todo o jogo, quantas jogadas de perigo criámos? 3 - a jogada que o Mitroglou finalizou assim que entrámos na segunda parte, o golo e a cabeçada do Jimenez e pronto, 3 jogadas, 3 ocasiões em 90 e tal minutos. Muito pouco...

- No primeiro golo, há uma falha que apontas e bem ao Renato, mas para mim, tão ou mais grave é o facto do Almeida não vir fechar. O Rui Vitória continua sem perceber que este misto entre zona e homem a homem, se falhar uma compensação cria um buracão. A saída de Fejsa à lateral, a saída de Jardel ao homem, a marcação de Eliseu ao extremo, a apatia do Renato a defender e a falta de cérebro do Almeida, tornam este sistema um ponto que equipas minimamente competentes e na LC há-as aos magotes, facilmente explorarão.

- No lance do Pizzi, que não passa para o Jonas, penso que tal se deveu mais à deficiente recepção e imediata pressão do jogador do Atlético, do que a decisão do Pizzi.

- No segundo golo, pior que Almeida e Pizzi, está Lisandro, que para mim é o principal culpado, apesar de o Jardel também ter perdido a frente do lance.

Gostei da entrada, com a equipa compacta e junta, com pressão alta, mas o golo fez tudo esboroar-se. Há quem diga que isso aconteceu com a mudança de posição do Griezmann aos 15 minutos. Não sei. Sei que depois do golo, mais do mesmo, jogadores muito afastados, muita bola por fora, aqui ou ali o Renato tentava-a levar por dentro e Jonas um peixe fora de água, apenas compreendido por Pizzi e às vezes, quando se lembra de não ser individualista, por Gaitán. Não compreendo que Jonas e Mitroglou não joguem sempre. Gaitán na ala a vir para dentro, seja na esquerda ou na direita, encontrará companheiros para tabelar. Gaitán no lugar do Jonas é pura parvoíce. Ao Guedes, recomendo banco, não só para perceber que deve ser mais colectivista a jogar, como também porque as alternativas são melhores.

Atacar com poucos, conforme prevíamos, foi o que aconteceu e o que acontecerá com RV nos jogos de média ou grande dificuldade.

abraço

De P1nheir8 a 11.12.2015 às 01:53

Boas bcool,

Verdade. Tirando essa, apenas os remates de longe do Eliseu e do Renato.

Sim, o Almeida não fecha dentro como devia. Apenas meti as linhas da distância entre defesas e depois não falei mais desse aspecto. Tens toda a razão. Esse misto é o que continuamos a falar aqui todas as semanas e que resulta tão mal. Eles andam todos trocados e não pensam como um todo. Se um sai ao homem, o outro tem de compensar, mas nem sempre isso é feio, já que os da compensação não sabem quando o outro vai ao homem ou não vai.

Certo, o Lisandro também esteve mal no segundo golo.

Não foi de facto um grande jogo, mas eu já não espero grande futebol da equipa, por isso é mais do mesmo.

Abraço

De aquaporina a 10.12.2015 às 01:10

Mais uma excelente análise. Infelizmente o Benfica apresenta, globalmente, poucas melhorias. Acredito que possa vencer uma grande parte dos jogos por ter jogadores com qualidade, mas vai ser complicado lutar pelo título.

De Miguel a 10.12.2015 às 09:02

Para quando os lenços brancos na luz? Já os vi quando não se justificavam, mas agora tardam em aparecer. Não percebo como tantos Benfiquistas gostam do "trabalho" deste "treinador".

O RV nas conferencias de imprensa parece aquele general Iraquiano... Completamente iludido. Não é normal.

De Anónimo a 10.12.2015 às 10:37

Mais uma excelente análise.

Jonas pode jogar sozinho na frente não pode é estar em dois lugares ao mesmo tempo. Como ele é inteligente e vê a equipa na troca de bola ineficaz desce no terreno para ser uma linha de passe, mas isto não é treinado, e depois não está ninguém no lugar do ponta de lança.
Ele e Renato foram dos poucos que tentaram fazer passes para a frente, sem ser aquela lateralização que Rui Vitória tão bem explicou na conferencia de imprensa dizendo "Nós tentamos pela esquerda e pela direita..". E então pelo meio não se joga?

Defensivamente, tenho arrepios quando vejo um adversário contrário a colocar-se entre os laterais e os centrais. Já sei que vai sair perigo dali.

Esperemos que o sorteio nos traga a equipa mais acessível da próxima fase e que até lá tenhamos melhorado muito, o que acho difícil.

Cumprimentos
Bruno

De P1nheir8 a 11.12.2015 às 01:57

Boas Bruno,

Sim, o problema não é Jonas jogar ou não na frente. É jogar sem apoios e com os jogadores tão longe.

Ele disse isso? Eu já nem vou ouvir o que ele diz, por isso agora escapam-me muitas coisas. A equipa tem muitas dificuldades, mas agora acha-se que defendemos melhor, quando a diferença é que defendemos bem mais recuados e com mais gente. Quando eles passam a primeira linha de pressão, é buracos por todo o lado.

É o que eu espero e temo. Vamos ver o que sai.

Abraço

De Anónimo a 10.12.2015 às 11:18

Nao sei o que achas disto mas.. em 1442 ou 14231 ou seja la como for que o benfica esta a jogar, os medios centro entrarem no corredor lateral em processo defensivo cria problemas muito grandes.

No lance do primeiro golo, apesar de o jogador que tem a bola ter de ser pressionado, nao deve ser o Fejsa a ir pressionar, retira protecao a zona a frente dos centrais, e faz com que o arrastamento do Jardel pelo apoio frontal do avancado crie buracos enormes.

Em condicoes normais o Jardel acompanhava (nao gosto muito mas percebo a utilidade) o avancado, o Fejsa baixava e mantinha-se a linha de 4.

Nao existindo esse ajuste, torna-se simples criar espacos entre a ultima linha do Benfica.

Dennis Bergkamp

De P1nheir8 a 11.12.2015 às 02:04

Boas Dennis,

Isso acontece várias vezes em todos os jogos do Benfica. E não é apenas com os médios, mas também com os centrais. Por exemplo, JJ explorou isso, ao levar os avançados muitas vezes para a linha e os centrais iam atrás deles, ficando o lateral e central na mesma zona e uma enorme clareira no meio - No jogo do Estádio da Luz. Quanto aos médios, foram muitas as vezes que o Simeone fez isso e dá para ver nos gifs. Os médios a trocarem a bola na linha ou perto, tentando atrair os médios do Benfica e depois entrar com a bola entre as linhas. Conseguiram fazer isso muitas vezes, porque lá o que quer que seja que a equipa faz, é mal feita. Por exemplo, se Fejsa sai na linha a pressionar, não há o ajuste do médio ala ou do outro médio centro, abrindo ali um buraco. Como a pressão é feita quase sempre de um modo fraco, é muito fácil depois a bola sair dali com qualidade e entrar ao meio. Quando o central sai, Fejsa é o que consegue mais vezes compensar o central. Quando não é ele a ter de fazer esse trabalho, sai asneira. É complicado, porque é uma maneira de defender complicada e eu ainda não a percebi ou não a quero perceber. É umas em zona, outras é sair ao homem e depois abrem-se os buracos porque eles não pensam como um todo cada caso defensivo.

Abraço

De Anónimo a 11.12.2015 às 09:45

Boas,

Facilmente corremos o risco de sermos injustos e estarmos a espetar facas em malta, só porque não os compreendemos.

Espero, genuinamente que seja esse o caso, até porque entre as varias formações / workshops / seminários que fui ao longo dos anos, o Rui Vitória foi de longe aquele que me mostrou mais controle sobre tudo o que se passa e com ideias mais claras e bem definidas. (Fora o Fran Escriba que era mm do outro mundo).

E é também por ter ficado com tão boa ideia dele, que neste momento existe um sentimento de desilusão. Não consigo encontrar um padrão de comportamento que me leve a pensar "é assim que ele quer que as coisas aconteçam". Porque umas vezes, é de outra maneira, e outras vezes é outra.

Outros treinadores é muito mais fácil. Ou é sempre individual, ou é individual em alguns jogadores e o resto zonal, ou é zonal, ou é pressionar muito e depois logo se ve, ou é zona ate certa altura e depois passa a individual (consuante a proximidade da baliza).

Aqui.... não da para ver isso. A linha defensiva tem muitas vezes comportamentos zonais, mas também tem muitos individuais. Os centrais acompanham sempre o apoio frontal do AV, os laterais marcam sempre o extremo qd a bola esta desse lado... mas ao mesmo tempo por vezes comportam/se de forma zonal.

Não percebo. Mas também não sou eu que tenho de perceber..

Abraço!

Dennis Bergkamp

De P1nheir8 a 11.12.2015 às 22:57

Boas,

O Rui Vitória nunca foi a minha primeira escolha, mas depois lá me convenci que era ele e fui apoiando. Desde que a bola começou a rolar, tem sido uma enorme desilusão. Sim, não tem um grande plantel, mas penso que se exigia mais futebol.

Quanto ao comportamento da defesa, analisei todos os jogos do Benfica desta época, incluindo os da pré-época. Foi sempre à zona até uma certa altura, até que depois começaram a existir marcações individuais em alguns lances. A bola coberta/descoberta também foi mudando a forma como a equipa fazia. Onde notei uma maior alteração, foi na paragem para as selecções antes do jogo com o Vianense. A partir desse jogo apareceram referências individuais em lances que não era normal, por isso penso que foi opção técnica e feita no treino.

Não deves ter visto, mas até o Nelsinho se lesionar, ele saía sempre ao homem, e era aquele onde se notava mais que começavam a existir referências individuais. O que me fazia confusão, é que o Nelsinho saía sempre ao homem, mesmo que ele fosse com bola para zonas longe das dele, já o Eliseu do lado contrário não defendia assim. Sempre que o Nelsinho saía, era o Almeida que ia fazer o lugar. Do outro lado isso não acontecia, apenas o Samaris fazia o central caso ele saísse. É um bocado estranho, mas não sabendo o que se passa no treino, não temos uma certeza absoluta. Eu acho que está delineado que haja situações em que é zona e outras que é individual, mas se isso está a ser feito bem ou a resultar, já coloco as minhas dúvidas.

Abraço

Comentar post








Sobre nós

Do futebol ao hóquei, do basquetebol ao voleibol, uma visão livre, imparcial e plural do Sport Lisboa e Benfica.



Contacte-nos por e-mail


Licença Creative Commons


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D